E ALEGRE SE FEZ TRISTE
 
E ALEGRE SE FEZ TRISTE
 
Aquela clara madrugada que,
Viu lágrimas correrem do teu rosto
E alegre se fez triste como se
Chovesse de repente em pleno agosto.
Ela só viu meus dedos nos teus dedos
Meu nome no teu nome. E demorados
Viu nossos olhos juntos nos segredos
Que em silêncio dissemos separados.
A clara madrugada em que parti
Só ela viu teu rosto olhando a estrada
Por onde um automóvel se afastava.
E viu que a pátria estava toda em ti
E ouviu dizer adeus: essa palavra
Que faz tão triste a clara madrugada.

Manuel Alegre

 

 
 
RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS!
Não é permitida, sem prévia autorização,
a reprodução desta página.

Obrigada!
WebDesign : Angela Cecilia