POEMA GEOMÉTRICO
 
POEMA GEOMÉTRICO
 
Num ângulo feliz,
Vislumbrei-te. Oh! evolante espiral;
Curvo sonho de amor e de loucura.
Compreendi que pelos dois pontos dos teus olhos azuis,
Passava uma e uma só reta de felicidade...
Dei uma abertura infinita no compasso da idéia
E no papel ilimitado da imaginação,
Te circunscrevi no círculo do coração...
Quando as retas dos nossos olhares se cruzaram,
Tracei a bissetriz dos nossos destinos...
Tu no entanto, desejavas os ângulos opostos.
Desvairado, retifiquei as circunferências da vida.
Levantei prismas, pirâmides,
Tracei tangentes aos teus caminhos,
Mesmo assim não consegui
Que os teus sonhos côncavos,
Se enquadrassem nos meus...
Tornei-me um arco abatido;
Minha existência uma linha interrompida...
Deixaram de existir as verdadeiras grandezas...
Hoje meus pensamentos desordenados,
Traçam espirais de Arquimedes
Num plano completamente desconhecido...


Lauro Roberto O. Rangel

Imagem de : www.arts-system.com

 

 
 
RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS!
Não é permitida, sem prévia autorização,
a reprodução desta página.
Obrigada!
WebDesign : Angela Cecilia