SÓ SAUDADES
 
SÓ SAUDADES
 
SÓ SAUDADES
Areias ao vento, que flutuam
Resvalando nas pedras, moldando lembranças,
Desenhando novos caminhos em meus momentos...
Que se tornam lamentos ,
Que se transformam em saudade,
Presença impresente, sua...
Música nossa no ar,
Na tentativa de preencher lacunas.
Olhos atingidos, embaçados e irritados,
Disfarçando lágrimas, firmam para lhe ver
Encontra o pensamento.
Transporta imagens, redesenha desejos,
Desdobra intenções e querer.
Apenas eu, saudades e você, aqui, presente,
Como o vento que agora bate forte em minha cara,
Traduzindo o meu idioma, suas palavras,
Músculo involuntário, pulsante coração,
Em que reside, aporta e permanece.

Jane Lagares
SÓ SAUDADES

 

 
 
RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS!
Não é permitida, sem prévia autorização,
a reprodução desta página.
Obrigada!
WebDesign : Angela Cecilia